imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

RM CEREBRAL – PRINCÍPIOS BÁSICOS

Carla Conceição

- Serviço de Neurorradiologia/Radiologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa, Portugal

- Reuniões Científicas do Hospital D. Estefânia, 5 Junho 2014, Lisboa

A RM é uma técnica diagnóstica por imagem que se baseia na utilização de ondas de radiofrequência sob a acção de um campo magnético, tendo como grandes vantagens sobre a Tomografia Computorizada o facto de não utilizar radiação ionizante e de ter uma elevada resolução espacial e de contraste e uma multiplicidade de parâmetros de avaliação, com uma sensibilidade de um modo geral superior para a detecção, caracterização e seguimento de inúmeras patologias.

Desde o seu aparecimento em Portugal na década de 90 a sua utilização foi crescente, sobretudo nos últimos anos, sendo na actualidade um meio auxiliar de diagnóstico inteiramente integrado na prática clínica, na medicina em geral e na pediatria em particular, e sendo um dos exames de RM mais frequentemente realizado a RM crânio-encefálica (RM-CE).

Nesta apresentação são abordadas as principais vantagens e desvantagens da RM-CE, questões de segurança, algumas particularidades em relação ao grupo pediátrico e principais indicações ou indicações formais.

Os planos de imagem e alguma da terminologia frequente nos relatórios será também revista e “descodificada”, bem como as principais características das sequências mais utilizadas, como as distinguir e quais as vantagens ou indicações especiais de algumas delas, nomeadamente diferença entre um T1 e T2 e aplicações do FLAIR, T2*, imagens FAT-SAT, STIR ou difusão.

Apesar de as alterações encontradas em estudos de RM-CE serem frequentemente diagnósticas ou patognomónicas, em muitos casos os aspectos anómalos enquadram-se em determinados padrões imagiológicos, como por exemplo lesões talâmicas bilaterais ou captações leptomeníngeas, cujo diagnóstico diferencial é vasto e cuja adequada interpretação passa necessariamente pela correlação com o restante contexto clínico. Uma mesma imagem poderá corresponder a entidades patológicas completamente distintas, com tratamentos e prognósticos inteiramente diferentes. Serão apresentados exemplos ilustrativos de alguns destes padrões imagiológicos, encontrados com alguma frequência em pediatria.

Por último, serão abordadas algumas das técnicas avançadas de RM-CE e quais as suas indicações, nomeadamente RM funcional, espectroscopia, estudos de perfusão e tractografia, que permitem uma avaliação multimodal do sistema nervoso central, frequentemente complementar à informação estrutural e visando uma compreensão mais detalhada da sua fisiologia e fisiopatologia.

Palavras-chave: RM; pediatria; indicações; sequências; princípios básicos