imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

A EFETIVIDADE DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL INTEGRADA, EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES OBESOS, É MENSURÁVEL A CURTO PRAZO PELA DIMINUIÇÃO DA ADIPOSIDADE OU DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL.

THE EFFECTIVITY OF INTEGRATED NUTRITION INTERVENTION IN OBESE CHILDREN AND ADOLESCENTS IS MEASURABLE, AT SHORT-TERM, BY THE REDUCTIONS IN ADIPOSITY OR THE BODY MAS INDEX.

Elisabete Dionísio1, Mónica Dias1, Inês Madureira1, Marta Alves2, Daniel Virella2, Luís Pereira da Silva1, Gonçalo Cordeiro Ferreira1.

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
1 - Laboratório de Nutrição do Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE;
2 - Centro de Investigação do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE. Lisboa.

-    13º Congresso Nacional de Pediatria. Tróia, 11/3/2012 (Poster).
-    Acta Pediátrica Portuguesa 2012;43 (Supl. 1):S46. (Resumo).

Fundamento: A avaliação periódica da intervenção na obesidade em pediatria é geralmente avaliada pela evolução ponderal e do índice de massa corporal (IMC). Estes indicadores não estão validados como instrumentos de monitorização da intervenção pela medição da adiposidade corporal por pletismografia de deslocação de ar (PDA).

Objetivo: Avaliar a efetividade a curto prazo da intervenção nutricional integrada em crianças e adolescentes obesos numa consulta hospitalar especializada de um hospital pediátrico.
Métodos: Coorte de crianças e adolescentes obesos (IMC, critério de Cole 2000), submetidos a intervenção nutricional integrada: dieta normocalórica ajustada à idade, com restrição de açúcares de absorção rápida, e aconselhamento de exercício físico pelo menos 1h/dia 3x/semana. Avaliação pelo peso, IMC e massa gorda (MG) medida por PDA (Bod Pod®, Cosmed), à admissão e após 4 a 12 semanas de intervenção. As diferenças foram avaliadas pelo teste de t-student para amostras emparelhadas.

Resultados: Foram incluídos 34 indivíduos, entre 4 e 16 anos, 13 na puberdade (Tanner) e 18 do sexo feminino. A mediana do tempo de intervenção à data da reavaliação foi de 5,2 semanas (4-12 semanas). A %MG (média ± DP) à admissão na consulta era de 43,76 ± 4,88 nos rapazes e de 38,73 ± 4,65 nas raparigas, diminuindo no momento da reavaliação para 42,03 ± 6,08 nos rapazes (p=0,007) e 37,13 ± 3,91 nas raparigas (p=0,026). A diminuição da adiposidade foi especificamente significativa nos 12 rapazes pré-púberes (3,9% de redução média da %MG; p=0,034) e nas 9 raparigas púberes (4,9% de redução média da %MG; p=0,028). Foram encontrados resultados semelhantes utilizando como medida de sucesso o IMC; não foi possível discriminar o resultado da intervenção usando o peso.

Conclusões: É possível demonstrar logo às 4 a 12 semanas o efeito da intervenção nutricional integrada em crianças e adolescentes obesos. A monitorização precoce desta intervenção pode ser efetuada utilizando a medição da adiposidade por PDA, mas também pelo IMC. O peso não parece ser um indicador discriminativo do efeito precoce desta intervenção.