imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

OLIGOARTRITE ASSIMÉTRICA: SÍNDROME DE REITER, UMA CAUSA RARA

A.M. Garcia1, C. Gouveia1, Delfim T.2, M. Conde3

1 - Unidade de Infecciologia Pediátrica, H. Dona Estefânia, CHLC-EPE, Lisboa, Portugal
2 - Departamento de Ortopedia Pediátrica, H. Dona Estefânia, CHLC-EPE, Lisboa, Portugal
3 - Unidade de Reumatologia, H. Dona Estefânia, CHLC-EPE, Lisboa, Portugal

15º Congresso Nacional de Pediatria; Congresso Nacional; Comunicação oral

Resumo:
Introdução: A Síndrome de Reiter é uma espondiloartropatia rara, e manifesta-se pela tríade clássica de artrite reactiva, uretrite e conjuntivite cerca de 2 semanas após infecção extra-articular (gastrointestinal ou genitourinária), associando-se ao HLAB27.
Caso Clínico: Rapaz de 14 anos, inicia uma semana antes do internamento quadro de dor inguinal bilateral auto-limitada, seguida de gonalgias com claudicação de agravamento progressivo e febre no dia do internamento. A referir, história de gastrenterite duas semanas antes. À observação: conjuntivite bilateral, sem uveíte, artrite dos joelhos e coxofemoral esquerda, tenossinovite tibiotársica direita e, posteriormente, artrite da primeira metacarpofalângica direita. Analiticamente, PCR 120,3mg/L, VS 77 mm/h. Leucocitúria 125/uL com urocultura negativa (uretrite). Exame cultural do líquido sinovial estéril. O quadro de oligoartrite assimétrica com dactilite, conjuntivite e uretrite, após gastroenterite aguda, sugeriu o diagnóstico de Síndrome de Reiter. Iniciou-se naproxeno. Foi confirmada infecção para Y. enterocolítica O:3 e o HLA-B27 foi positivo. Restante avaliação infeciosa (PCR para C. trachomatis e N. gonorrhoeae no exsudado uretral) e auto-imune negativas. Às 8 semanas de AINE mantinha oligoartrite e associou-se dactilite do 4º dedo do pé direito. Iniciou sulfassalazina e programou-se sinovectomia química do joelho.
Discussão: Embora rara, a Artrite Reactiva, e em particular a Síndrome de Reiter, pode ter uma morbilidade elevada ao longo de semanas a meses, pelo que o diagnóstico precoce e instituição terapêutica atempada são prementes. Neste caso, a persistência da artrite poderá levar à instituição de terapêutica imunomoduladora mais agressiva.