imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

CARACTERÍSTICAS E EVOLUÇÃO DA INFECÇÃO POR HELICOBACTER PYLORI NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA DA ÁREA DA GRANDE LISBOA

José Cabral.

Unidade de Gastrenterologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, E.P.E.

 - Sala de Conferências do HDE, 13 de Novembro de 2012 (Apresentação).

A infecção por Helicobacter pylori (Hp) difere na criança e no adulto e de região para região.
Apresenta-se a experiência portuguesa na qual houve a participação do Hospital de Dona Estefânia, sobre epidemiologia, características, testes diagnósticos e resistência aos antibióticos na infecção por Hp.
Dá-se particular ênfase a um estudo da prevalência e da incidência da infecção por Helicobacter pylori numa população pediátrica saudável na área de Lisboa, sendo estas determinadas a partir do estudo dos antigénios nas fezes de 844 crianças dos 0 aos 15 anos de idade. A prevalência foi de 31,6%, aumentando com a idade, sendo de 19.9%, 37.0% e de 51.5%, nos grupos etários dos 0-5, 6-10 e 11-15 anos respectivamente. A incidência foi de 11,6 por 100 crianças/ano. A incidência foi semelhante para os 3 grupos etários. 47,5% das crianças adquiriram a infecção antes dos 5 anos, tendo a idade média de aquisição sido aos 6,3 anos.
Apresenta-se um estudo da resistência primária em 1.115 estirpes de Hp isoladas numa população de crianças da área da grande Lisboa com idades compreendidas entre os 4 meses e os 18 anos. A taxa de resistência primária encontrada foi de 34,7% à claritromicina, 13,9% ao metronidazol e de 4,6% à ciprofloxacina. Houve resistência dupla em 6,9% de estirpes e 1 estirpe era resistente a estes 3 antibióticos. Não foram encontradas resistências à amoxicilina e à tetraciclina.
Discute-se a aplicabilidade das recomendações da ESPGHAN e NASPGHAN na população portuguesa face aos estudos apresentados.

Palavras-chave: Helicobacter pylori, criança, infeção, prevalência, incidência.