imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

MASSAS ANEXIAIS NA PERI E PÓS-MENOPAUSA SUBMETIDAS A CIRURGIA – ESTUDO RETROSPECTIVO DE 2007 A 2012

Ana Cristina Nércio, André Correia, Ermelinda Pinguicha, Maria José Bernardo

Serviço de Ginecologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, Lisboa

- 176ª Reunião da Sociedade Portuguesa de Ginecologia

Introdução: As massas anexiais são comuns nas mulheres na peri e pós-menopausa e na maioria das situações são achados acidentais em exames de rotina. Embora o cancro do ovário seja uma causa significativa de mortalidade na mulher menopáusica, os grandes estudos populacionais demonstram que a maioria das massas anexiais é benigna. Ainda assim, o aparecimento de uma massa anexial é um motivo de preocupação para a doente e um desafio para o ginecologista que recorrendo às características ecográficas da massa, aos valores séricos dos marcadores tumorais, à idade da doente e às suas co-morbilidades opta por vigilância periódica ou por cirurgia.

Objectivos: Este estudo foi realizado para avaliar as massas anexiais nas mulheres na peri e pós-menopausa, tendo sido incluídas doentes com mais de 45 anos submetidas a cirurgia por massa anexial entre 2007 e 2012 – um total de 182 doentes.

todos: Estudo retrospectivo de 4 anos (2009 a 2012) de mulheres na peri e pós- menopausa submetidas a cirurgia por massa anexial (N: 129), das quais 42% (55) por laparoscopia e as restantes 74 por laparotomia.

Resultados: Das 182 doentes operadas, 42% foram operadas por laparoscopia, uma por via vaginal e as restantes 104 (57%) por laparotomia. De entre os resultados histológicos, apenas 8 (4%) foram malignos, incluindo: cistadenocarcinoma seroso, tumor seroso borderline, tumor mucinoso borderline e mestástases. O  achado histológico mais frequente foi o de neoplasia benigna de origem epitelial, seguido dos de origem nas células germinativas. De entre as variáveis estudadas encontra-se a idade, marcadores tumorais e achados ecográficos.

Conclusões: O estudo comprovou que a maioria das massas anexiais nesta faixa etária é benigna. A combinação das características ecográficas com os marcadores tumorais permite  aumentar  a  precisão  diagnóstica  de  malignidade  e  optimizar  a  abordagem
conservadora versus cirúrgica.