imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

TERAPIA DE RESTRIÇÃO DE MOVIMENTO NA PARALISIA CEREBRAL

Rita Francisco, Clara Loff.

Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE, Lisboa.

- Anuário do Hospital Dona Estefânia, 15.05.2012, Lisboa.

Introdução: A Paralisia Cerebral é um termo abrangente que designa um grupo de situações clínicas caracterizadas pela perturbação da postura e do movimento, geradoras de limitação da actividade, e que são devidas à ocorrência de lesão/anomalia no cérebro imaturo e em desenvolvimento. A LESÃO é PERMANENTE, NÃO PROGRESSIVA. O quadro clínico no entanto, altera-se com a idade, e está depende do desenvolvimento e maturação do SNC, crescimento, factores extrínsecos e oportunidades de actividade e de participação da criança.
Crianças com uma preferência significativa pelo uso de um membro na sequência de uma incapacidade física, como na PC espástica unilateral (Hemiparésia), sofrem desafios únicos na aprendizagem do uso do seu membro afectado.
Evidência recente sugere que em crianças com PC a performance motora pode ser melhorada se forem dadas oportunidades de prática repetitiva.

Objetivos: A Terapia de Restrição de Movimento (TRM) baseia-se em 2 princípios fundamentais: a restrição do membros não afectado e a prática estruturada massiva de tarefas terapêuticas com o membro afectado.
A prática estruturada é activa, direccionada para tarefa e administrada/ orientada por um profissional treinado, combinando noções de psicologia comportamental e aprendizagem motora.
Os objectivos da TRM passam então por melhorar a função do membro afectado, a participação e a satisfação familiar, limitando os efeitos do não-uso aprendido.

Métodos: As tarefas são seleccionadas, tendo em conta os objectivos da criança e da família, a motivação intrínseca da criança, as etapas do neurodesenvolvimento, e tendo em conta a avaliação prévias de quais os movimentos com maior potencial de recuperação.
O tratamento efetivo por TO é semanal. Restante prática é realizada na escola ou no domicílio.
Os modelos de aprendizagem motora enfatizam que as acções voluntárias, autogeradas

Resultados: Todos os casos clínicos e estudos randomizados pequenos chegaram a efeitos positivos do tratamento. São no entanto necessários estudos controlados, com metodologia rigorosa e válida e medidas de outcome de confiança para provar a eficácia do tratamento

Conlusões: Tendo em conta a evidência limitada, o uso de TRM, TRM modificada ou a Terapia de Uso Forçado devem ser considerados experimentais em crianças com PC espática unilateral.

Palavras-chave: terapia de restrição de movimento, paralisia cerebral.