imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

Vantagens da laparoscopia diagnóstica em caso improvável de traumatismo intestinal

Sofia Ferreira de Lima, Ema Santos, Maria Knoblich, João Pascoal

1 - Serviço de Cirurgia Pediátrica, Hospital Dona Estefânia EPE – Centro Hospitalar Lisboa Central

- Apresentado como poster no XXXV Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica, XXI Congresso Brasileiro de Urologia Pediátrica e VI Congresso Brasileiro de Cirurgia Pediátrica Vídeo-Assistida, em Foz do Iguaçú, Paraná

Introdução: A lesão de órgãos intra-abdominais está presente em 15% das crianças politraumatizadas. A abordagem ao traumatismo abdominal fechado é maioritariamente conservadora na idade pediátrica (90% dos casos). As indicações para intervenção cirúrgica são a instabilidade hemodinâmica e a presença de perfuração de víscera oca. A perfuração intestinal após trauma fechado é um evento raro e ocorre principalmente devido a acidentes com veículos motorizados.
Caso Clínico: Apresentamos um caso clínico com vídeo de uma criança com 6 anos de idade, sexo masculino, que recorre ao Serviço de Urgência Pediátrico por dor abdominal peri-umbilical, após traumatismo por murro de colega da mesma idade, algumas horas antes, em período pós-pandrial. Ao exame objetivo de salientar: abdómen difusamente doloroso à palpação, sobretudo no epigastro e região peri-umbilical, sem sinais de irritação peritoneal. Realizou estudo complementar, de que se destaca analiticamente leucocitose de 24600/mm3 e neutrofilia de 88.5%, com hemoglobina de 15,7g/dl e PCR negativa. A radiografia abdominal em pé não apresentava alterações; a ecografia abdominal mostrou moderada quantidade de líquido livre não puro na fossa ilíaca direita, de provável natureza sero-hemática. A tomografia computorizada revelou colapso e espessamento do cólon direito e bolhas gasosas milimétricas livres tendo-se presumido eventual deiscência parietal do cólon direito. Foi submetido a cirurgia vídeo-assistida, tendo-se constatado perfuração jejunal focal coberta por ansa contígua. Procedeu-se à exteriorização da ansa lesada através de pequeno alargamento da incisão umbilical, a enterectomia segmentar e anastomose término-terminal. Evoluiu bem no período de pós-operatório, tendo tido alta ao 7º dia de pós-operatório. Sem intercorrências no follow-up. 
Conclusões: A segurança e os benefícios do uso da laparoscopia têm sido amplamente demonstrados na abordagem ao trauma abdominal, evitando um número significativo de laparotomias. Apesar da excelente definição anatómica que a TC fornece, existem áreas de incerteza diagnóstica. A laparoscopia fornece assim informação complementar à TC, pois permite uma visualização direta do intestino, mesentério e do diafragma, regiões em que a TC não apresenta tanta acuidade. A laparoscopia diagnóstica deve ser uma abordagem considerada em doentes hemodinamicamente estáveis, em que há suspeita de lesão intestinal, ou nos casos em que existem dúvidas em relação aos sinais e sintomas.

Palavras Chave: laparoscopia; pediátrico; trauma intestinal;