imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

TUBERCULOSE EM IDADE PEDIÁTRICA - EXPERIÊNCIA DE 10 ANOS DE UMA UNIDADE DE INFECIOLOGIA

Madalena Almeida Borges, Ana Paula Rocha, Carlota Veiga de Macedo, Tiago Milheiro Silva, Catarina Gouveia, Flora Candeias, Luís Varandas, Maria João Brito

1 - Unidade de Infeciologia, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa

- 19º Congresso Nacional de Pediatria, Centro de Congressos do Estoril, 24 a 26 de outubro de 2018, comunicação oral

Resumo:
Introdução: Em pediatria, o diagnóstico de tuberculose (TB) é um desafio pois a doença manifesta-se habitualmente com formas graves e extrapulmonares (TEP). O objetivo deste estudo foi caraterizar a TB num internamento de um hospital pediátrico terciário (< 18 anos).
Métodos: Estudo descritivo, entre Janeiro 2008 e Dezembro 2017 (10 anos). Analisaram-se fatores demográficos, clínicos, diagnóstico e prognóstico.
Resultados: Identificados 101 doentes, com mediana de idades de 14,3 anos, 42,6% de PALOP. Dezanove doentes tinham doença crónica e quatro realizavam terapêutica imunossupressora. Registaram-se 10,1 casos/ano, com um pico em 2017 sobretudo na população portuguesa (12/22). Identificou-se caso índex num adulto em 45 (44,6%) casos. Observou-se TB pulmonar (TP) em 51 (50,5%) doentes e TEP em 50 (49,5%): ganglionar (22), óssea (10), meníngea (8), miliar (4), intestinal (3), peritoneal (3), pleural (3), cutânea (1). Apenas 24 (23,8%) doentes eram bacilíferos, mas o agente foi identificado em 67 (66,3%). A prova tuberculínica foi positiva em 59/76 (77,6%) e IGRA em 35/49 (71,4%), (maior número de negativos na meningite tuberculosa). Registou-se TB resistente em 11 casos. Doentes com TEP eram mais jovens (9,8anosvs13,7anos;p=0,006) e fizeram tratamentos mais prolongados (9,6 meses vs 7meses;p<0,001). Onze apresentaram complicações da terapêutica (hiperuricemia-6; hepatotoxicidade-5). Não se verificaram óbitos.
Discussão: O aumento do número de casos da população portuguesa no último ano, revela estratégias deficientes de saúde publica a serem revistas com urgência. O estudo alerta ainda para o rastreio sistemático da infeção em crianças de PALOP, em imunossuprimidos e na doença crónica, negligenciado por alguns profissionais de saúde.

Palavras Chave: pediatria, tuberculose, tuberculose extrapulmonar, tuberculose pulmonar