imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

MYCOBACTERIUM BOVIS, UMA CAUSA RARA DE ABCESSO DA PAREDE TORÁCICA

Joana Faustino1, Tiago Milheiro Silva1, Maria Luís Sacras2, Catarina Gouveia1, João Varela Neves3, Luís Varandas1

1 - Unidade de Infeciologia Pediátrica, Infecciologia Pediátrica, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa
2 - Serviço de Cirurgia Pediátrica, Cirurgia Geral, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa
3 - Unidade de Imudefeciências Primárias, Área de Imunodefeciências, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa

- Reunião nacional, 19º Congresso Nacional de Pediatria, 24-26 out 2018, Centro de Congressos do Estoril, publicação sobre a forma de poster

Resumo:
Introdução: A infeção por M. bovis está provavelmente subvalorizada, estimando-se uma frequência de 1-2% dos casos de tuberculose nos países desenvolvidos.
Relato de Caso: Rapaz de 12 meses, naturalidade portuguesa e residente em Angola, vacinado à nascença com BCG-Japan, internado em Angola desde os 10 meses por pneumonia complicada de empiema, tendo sido isolados S. aureuse P. aeruginosa. Aos 11 meses por aparecimento de massa torácica anterior é transferido para Portugal. Apresentava uma tumefação torácica anterior direita de 2x3cm, consistência dura, aderente aos planos profundos e superficiais. Analiticamente sem leucocitose, PCR 2,7 mg/L, VS 33 mm/h, HIV e IGRA negativos, Mantoux anérgico. TC Tórax evidenciava, na parede torácica anterior direita, 4º/5º arcos costais, lesão de densidade partes moles heterogénea, 35x22mm. A biopsia revelou inflamação crónica granulomatosa, com escassa necrose. O exame direto do exsudado não objetivou BAAR mas o TAAN foi positivo para MTBC. Iniciou terapêutica antibacilar com Isoniazida(H), Rifampicina(R), Pirazinamida(Z) e Etambutol(E). O exame cultural do exsudado foi positivo para M. bovis BCG, tendo mantido terapêutica com HR. Por agravamento clínico reinicia E elevofloxacina. Foi excluída doença granulomatosa crónica e aguarda estudo susceptibilidade mendeliana a infeções micobacterianas (estudo do eixo IFN-γ/IL-12).
Conclusão: O abcesso da parede torácica é uma forma pouco habitual de apresentação da turbeculose, responsável por 10% da tuberculose extra-pulmonar. Neste caso, adicionalmente a isso, verificou-se o isolamento de um M. bovis BCG, constituindo um desafio diagnóstico.

Palavras Chave: Monoresistência; M. bovis; M. tuberculosis; Pirazinamida