imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

INTERNOS DE PEDOPSIQUIATRIA: “O QUE ESPERAM DO FUTURO ENQUANTO ESPECIALISTAS?”

Catarina Garcia Ribero1; Sofia Vaz Pinto1; Pedro Caldeira da Silva2

1 - Médico Interno de Formação Específica, Pedopsiquiatria, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia; Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa
2 - Responsável de Especialidade, Departamento de Pedopsiquiatria, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa.

- 9º Encontro Nacional de Internos de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, 8 e 9 Novembro 2018.
- Publicação sob a forma de poster.

Resumo:
Introdução: A satisfação com a profissão médica tem sido apontada como factor essencial para a qualidade assistencial, bem-estar dos doentes e a estabilidade dos sistemas de saúde.A formação e informação na área de Pedopsiquiatria é parca no ensino escolar e universitário, mesmo nas Faculdades de Medicina. Perante a decisão da escolha de realizar o Internato de Formação Específica de Pedopsiquiatria, o jovem médico depara-se com um conjunto de aprendizagens, desafios, condições de trabalho, cuja a satisfação e correspondência à expectativa prévia, podem ser determinantes no tipo de trabalho que ambicionam realizar enquanto especialistas.
Objectivos: Partindo de um estudo que avaliou o grau de satisfação de médicos internos com a especialidade em Portugal*, pretende-se caracterizar a percepção de bem-estar, gestão de expectativas e a satisfação dos Médicos Internos de Pedopsiquiatria com a especialidade. Por fim, compreender o impacto que esta percepção tem na projeção que o jovem médico tem de si e das condições de trabalho, como futuro especialista. 
Métodos: Foi realizado um estudo transversal da amostra de médicos internos de Pedopsiquiatria Nacional, com recurso a um inquérito realizado online que incluiu o índice de Bem-estar da OMS, perguntas sobre a “satisfação, expectativas e ideias concebidas sobre a especialidade”.
Resultados e Conclusões: Do nº total de internos de Pedopsiquiatria a nível nacional (65 internos) participaram no estudo 63% (41 respostas). Verificou-se um índice de Bem-estar superior nos 1º e 4º anos de Internato Médico, o que pode levantar a questão das causas que possam contribuir para a diferença de distribuição. É curioso notar as respostas “em relação à investigação”, 72,5% dos internos consideraram importante para a prática clínica o seu contributo, mas apenas 25% considerou ter tempo suficiente para a leitura de estudos de investigação. 98% considera que é importante o peso do percurso do internato médico e processo formativo no especialista que virá a ser, sendo que 42% não consideram uma “vida mais fácil”.

*Satisfação com a Especialidade entre os Internos de Formação Específica em Portugal. Martins, M.J. et al. Acta Médica Portuguesa, 2015.

Palavras Chave: Expectativas; Futuro; Internato médico; Pedopsiquiatria; Satisfação.