imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

FODMAP: A INTERVENÇÃO NUTRICIONAL NUM HOSPITAL PEDIÁTRICO

Patrícia Almeida Oliveira1, Mónica Pitta Grós Dias2, Ana Catarina Moreira1, José Cabral2

1 - Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
2 - Unidade de Gastrenterologia Pediátrica, CHULC - Hospital de Dona Estefânia 

- XX Congresso Anual da APNEP (Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica), Lisboa, 13 – 16 Outubro, 2018
- Comunicação oral.
- 3º prémio melhor comunicação oral.

Introdução: Os FODMAP (Fermentable Oligosaccharides, Disaccharides, Monosaccharides and Polyols) constituem um grupo de glícidos de cadeia curta e açúcares-álcoois que apresentam três características em comum (mal absorção, elevada carga osmótica e rápida fermentação) que têm sido associadas a uma variedade de sintomas gastrointestinais. A intervenção FODMAP reduz a ingestão deste grupo para gestão sintomatológica, com evidência crescente em várias patologias gastrointestinais.
Objetivo: Caracterizar a intervenção FODMAP em consulta de nutrição num hospital pediátrico de Lisboa.
Material e Métodos: Estudo retrospetivo da intervenção FODMAP na consulta de Nutrição de um hospital pediátrico, com base na revisão de processos clínicos.
Resultados e Discussão: A intervenção FODMAP é realizada no hospital desde 2016, tendo sido identificadas 19 crianças e adolescentes na consulta externa de Nutrição e Dietética que realizaram a intervenção. A mediana de idades na primeira consulta foi de 12 anos. Os principiais diagnósticos identificados foram contaminação intestinal (32%) e síndrome do intestino irritável (21%). Os principais sintomas referidos foram dor abdominal (84%), diarreia (47%), meteorismo (26%) e distensão abdominal (1%). A maioria dos doentes foi acompanhada em duas consultas (42%). Foi recolhida informação sobre a evolução da sintomatologia entre a primeira e segunda consulta observando-se uma melhoria em 75% dos doentes. Não foram observados doentes desnutridos, com excesso de peso ou obesidade na primeira consulta. Na avaliação da composição corporal por bioimpedância, 39% apresentou uma percentagem de massa gorda inferior ao percentil 2. Não foram observadas diferenças no estado nutricional entre as consultas (p = 0,000). A melhoria da sintomatologia observada está de acordo com o identificado na literatura científica. Não foram identificados casos de desnutrição, excesso de peso ou obesidade, contudo, a maioria dos doentes apresentou uma baixa percentagem de massa gorda. 32% efetuou apenas uma consulta, o que se pode traduzir numa fase restritiva prolongada sob risco de inadequação da ingestão nutricional. A melhor compreensão da composição corporal e a quantificação da ingestão alimentar trariam informação relevante sobre o impacto da abordagem no estado nutricional.
Conclusões: A abordagem FODMAP teve um impacto positivo na sintomatologia em 75% dos doentes, sem compromisso do estado nutricional.

Palavras Chave: FODMAP, Pediatria, patologia gastrointestinal, nutrição.