imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

DÉFICE SINTOMÁTICO TRANSITÓRIO DE ZINCO: A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO

Tiago Milheiro Silva, Rita Machado, Ana Isabel Cordeiro

Unidade de Primeira Infância, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central

- Acta Pediátrica Portuguesa 2018;49:181-4

O défice de zinco no lactente pode ocorrer por aumento das necessidades ou diminuição do aporte. A deficiência sintomática transitória de zinco resulta de uma alteração no transportador de zinco a nível da glândula mamária, conduzindo a níveis reduzidos de zinco no leite materno. Lactentes sob aleitamento materno exclusivo apresentam, nestes casos, um défice de aporte. As manifestações clínicas clássicas de défice de zinco traduzem-se por lesões cutâneas acrais e periorificiais, alopecia e diarreia, sendo indistinguíveis de outras causas de défice de zinco. Verifica-se, contudo, uma remissão das manifestações após o início de diversificação alimentar. O diagnóstico precoce e início de suplementação com zinco adquirem um papel fulcral na prevenção de alterações por défice de zinco a longo prazo.

Palavras Chave: Aleitamento Materno; Diagnóstico Diferencial; Estado Nutricional; Lactente; Zinco/deficiência