imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

Avaliação dos valores de cut-off de IgE específicas considerados discriminatórios para o diagnóstico de leite de vaca

Ana Castro Neves1, Ana Romeira1, Vitória Matos2, Paula Leiria Pinto1

1 - Serviço de Imunoalergologia, Hospital Dona Estefânia, CHLC-EPE
2 - Serviço de Patologia Clínica, Hospital São José, CHLC-EPE

- Reunião Nacional, Comunicação Oral na 39ª Reunião Anual de Imunoalergologia – da investigação à prática clínica, 28 a 30 de Setembro de 2018, Figueira da Foz, 2º prémio de melhor comunicação oral
- Reunião Internacional, Comunicação Oral em Congresso EAACI 2018 – Innovative solutions for allergy, 26 a 30 de Maio de 2018

Resumo:
Introdução/Objectivo: A alergia às proteínas do leite de vaca (APLV) é uma das alergias mais comuns em idade pediátrica, afetando 1 a 3% das crianças. O diagnóstico é baseado em uma história clínica detalhada, níveis séricos de IgE específicas e / ou testes cutâneos por picada (TCP), seguidos de prova de provocação alimentar oral (PPO), considerada “gold standard” para o diagnóstico. O objetivo do nosso estudo foi estabelecer os cut-off óptimos dos valores séricos das IgE específicas para leite de vaca (LV), alfa-lactoglobulina, beta-lactoalbumina e caseína preditores de reactividade ao leite de vaca.
Metodologia: Análise retrospectiva dos processos dos doentes que realizaram doseamento sérico de IgE específicas para proteínas do leite de vaca (proteína total do leite, alfa-lactoalbumina, beta-lactoglobulina e caseína) entre 2016- 2017. Dados demográficos, manifestações clínicas e procedimentos diagnósticos foram avaliados. O diagnóstico de APLV foi considerado quando prova de provocação oral positiva ou história clínica sugestiva (mais de um episódio de sintomatologia alérgica desencadeada após a ingestão de proteína do leite de vaca) com pelo menos um TCP positivo e / ou valores séricos IgE específicas elevados. Doentes com APLV não mediada por IgE foram excluídos.
Resultados e conclusões: De um total de 105 pacientes, 83 tiveram diagnóstico de APLV mediada por IgE; 58% eram do sexo masculino; idade mediana de 2 anos (min 2 meses; máx 19 anos). Os cut-off dos valores séricos de IgE específicas para o LV e suas fracções capazes de predizer a reatividade ao leite de vaca (prova de provocação oral positiva) foram: >4,36kUA/L para o leite de vaca, 1,60kUA/L para-lactoalbumina, 1,67kUA/L para -lactoglobulina e 2,63kUA/L para caseína. Para os valores de séricos IgE estabelecidos como melhor cut-off para positividade do teste, a Sensibilidade (Se) e Especificidade (Sp) para o LV foi de 71,08% e 90,91%; 55,4% e 86,4% para alfa-lactoalbumina, 57,8% e 90,9% para beta-lactoglobulina e 63,9% 90,9% para caseína. As curvas ROC construídas a partir da relação obtida entre a Se e Sp dos níveis séricos de IgE específicas mostraram-se discriminatórias, com áreas sob a curva de 0,82 para o LV, 0,70 para alfa-lactoalbumina, 0,78 para beta-lactoglobulina e 0,82 para a caseína. Na nossa amostra os cut-off encontrados para os níveis séricos IgE específicas do leite de vaca e frações mostraram uma boa capacidade preditiva relativamente ao diagnóstico de alergia ao leite de vaca.