imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

ALTERAÇÕES VASCULARES PRECOCES NA INFEÇÃO POR VIH EM IDADE PEDIÁTRICA

Sílvia A. Gomes1, Pedro Oom Costa1, Tiago Milheiro Silva1, Eugênia Soares2, Conceição Neves1,Flora Candeias1

1 - Unidade de Infecciologia Pediátrica, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa
2 – Serviço de Radiologia, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa

XIV Congresso Nacional de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica e XII Congresso Nacional VIH/SIDA

Introdução: Os doentes pediátricos infetados pelo VIH são hoje adolescentes e jovens adultos. Atendendo ao risco cardiovascular associado à infeção VIH e à terapêutica da mesma, são um grupo com risco acrescido para doença cardiovascular precoce, com alterações estruturais precoces do leito vascular arterial e fatores de risco pró-trombóticos.
Objetivos: Avaliar o impacto da infeção VIH nos marcadores de doença cardiovascular precoce.
Material e métodos: Estudo prospectivo, de Março a 2015 e Outubro de 2018 (44 meses), em doentes com idade igual ou superior a 12 anos, infetados pelo VIH e seguidos num hospital de nível III. Avaliaram-se parâmetros demográficos, clínicos, laboratoriais e ecográficos (consideraram-se alterados índices >0,5 para idades inferiores a 18 anos e >0,8 para idades superiores a 18 anos).
Resultados: Total de 22 doentes, com mediana de idade de 15 anos (mín-12, max-23), 59% do sexo masculino e 68% melanodérmicas. Na maioria dos casos (86%), a transmissão ocorreu por via vertical. Todos estavam sob terapêutica antirretroviral desde o diagnóstico com inibidores de protease, 81,8% tinham carga viral indetetável, 86% apresentavam CD4+ ≥500cél/uL e nenhum CD4+ <200cél/uL. Em um doente havia hábitos tabágicos. Verificou-se IMC com P≥85 em seis doentes (IMC≥40 n=3) e pré-hipertensão em seis e hipertensão grau I em um. O estudo do perfil lipídico revelou colesterol total elevado em 10 (P75-95 n=7; P95 n=3), colesterol-LDL em 7 (P75-95 n=4; P95 n=3), colesterol-HDL P<25 em 11 e triglicerídeos P≥95 em 5 doentes. Nenhum tinha glicémia em jejum alterada. Do estudo ecográfico da espessura da íntima-média carotídea, registaram–se alterações (≥P75 para idade e sexo) em ?/? abaixo dos 18 anos de idade e ?/? acima dos 18 anos.
Conclusão. Compreender e intervir nos mecanismos subjacentes que determinam um aumento do risco cardiovascular, através de uma abordagem multidisciplinar, é fundamental para modificar o fenótipo vascular destes doentes.

Palavras Chave: alterações vasculares, espessura íntima, VIH