imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

VINCULAÇÃO PRÉ-NATAL

Mafalda Martins (1); Catarina Garcia Ribeiro (1); Ana Prata (1); Pedro Caldeira da Silva (2).

1 - Médico Interno de Pedopsiquiatria, Área da Mulher,, da Criança e do Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central.
2 - Chefe de Serviço Hospitalar de Pedopsiquiatria, Área da Mulher, da Criança e do Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Congresso Multidisciplinar Hospital dona Estefâmnia.

Resumo:
Introdução: No complexo processo de transição para a parentalidade surgem novos papéis “ser mãe” e “ser pai”, elaboram-se imagens e expectativas em relação a cada um dos papéis bem como se idealiza o bebé que irá nascer. Efetivamente, desde o começo da gravidez desencadeia-se a ligação dos pais ao filho em gestação, ou seja, a vinculação pré-natal.
Objetivo: Com este trabalho pretendeu-se rever a literatura acerca de um tema que é a pedra angular da saúde mental infantil, focando os fatores que influenciam a vinculação pré-natal, assim como, as influências que esta vinculação exerce, por exemplo, nos pais.
Métodos: Foi efetuada uma vasta revisão da literatura atualizada no âmbito deste tema. 
Discussão/Conclusões: A vinculação pré-natal é alvo de múltiplas influências como, por exemplo, as mudanças hormonais, a perceção dos movimentos fetais, a presença de psicopatologia e a qualidade da relação conjugal. Por sua vez, a vinculação pré-natal correlaciona-se com práticas associadas à saúde como a redução do consumo de tabaco e parece influenciar o comportamento materno e o desenvolvimento da vinculação entre os pais e o bebé após o nascimento, entre outros aspetos.

Palavras Chave: vinculação pré-natal; parentalidade; saúde;