imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

UM DISTÚRBIO SEM SAL – ANÁLISE RETROSPECTIVA DE UMA ENFERMARIA DE MEDICINA

Marta Ilharco2, Carla Maravilha2, Ana Palhinha1, Johana Martins2, Maria do Carmo Fevereiro2, Fátima Lampreia2, José Rola2

1- Serviço de Imunoalergologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, E.P.E
2- Serviço de Medicina Interna 1.4, Hospital de São José, Centro Hospitalar Lisboa Central, E.P.E

- 23.º Congresso Nacional de Medicina Interna, Porto, 25 a 28 de Maio de 2017
- Apresentação sob a forma de poster; publicação de resumo
- Reunião Nacional

Resumo:
Introdução: A hiponatremia, definida como concentração sérica de sódio <135 mEq/L, é o distúrbio hidroeletrolítico mais encontrado na prática clínica. Pode levar a um largo espectro de sintomas clínicos, estando associado a um aumento da morbimortalidade.
Objetivos: Caracterizar a população de doentes internados por hiponatremia ou que apresentavam este distúrbio como comorbilidade, avaliando o impacto do mesmo no dia-a-dia de uma enfermaria de Medicina.
Métodos: Estudo retrospetivo das doentes de uma enfermaria de Mulheres durante o ano de 2016, sendo incluídas todas as que apresentavam hiponatremia como diagnóstico principal ou secundário, realizada caracterização demográfica e analisados duração de internamento, outros diagnósticos, classificação e causa da hiponatremia e orientação após alta.
Resultados: De um total de 712 internamentos durante o ano de 2016, foram registados 40 (5,6%) com diagnóstico de hiponatremia, sendo a média de idades 80,5 anos. A duração do internamento foi em média 10,6 dias, registando-se 5 (12,5%) óbitos e 35 altas (87,5%). Destas, 23 foram referenciadas ao Médico de Família, 2 à consulta de Medicina, 2 à consulta de Endocrinologia e 2 a Redes de Cuidados Continuados. Verificaram-se 15 (37,5%) internamentos por hiponatremia, apresentando-se esta como diagnóstico secundário em 62,5%. O valor mínimo de sódio sérico registado foi de 102 mEq/L com uma média de 121 mEq/L, sendo a maioria (67,5%) das hiponatremias graves (<125 mEq/L) e sintomáticas em 70% dos casos. As causas mais comuns foram desidratação (22,5%) e dilucional por hipervolemia (22,5%). Os diagnósticos secundários mais frequentes pertencem aos grupos de doenças endócrinas e cardiovasculares, ilustrando a tendência da população portuguesa.
Discussão: A hiponatremia condiciona uma elevada morbimortalidade, sendo causa frequentemente subdiagnosticada de internamento e a determinar aumento da permanência hospitalar, particularmente numa população idosa e polimedicada.

Palavras Chave: hiponatremia, distúrbio hidroelectrolítico