imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

SURDEZ UNILATERAL – CARATERIZAÇÃO DE UMA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA

Joana Ximenes Araújo 1, Rita Ferreira1, Herédio Sousa1, Ezequiel Barros1

1. Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa;

- Terceiras Jornadas de ORL Pediátrica, 2017, 17-18/11/2017, Vila Nova de Gaia (Comunicação Livre)
- 13th Congress of The European Society of Pediatric Otolaryngology, 2016, 18-21/06/2016, Lisboa (Poster)

Objetivo: A surdez unilateral afeta 0,4 a 34/1000 recém-nascidos e 1 a 50/1000 crianças em idade escolar. O objetivo deste estudo foi caracterizar a população pediátrica com surdez unilateral, severa a profunda, seguida num hospital central.
Métodos: Estudo retrospetivo de processos clínicos de crianças observadas em 2014 em consulta de ORL num hospital pediátrico central (total de 3634 processos), que apresentavam surdez unilateral documentada por exames audiológicos.
Resultados: Estudaram-se 83 crianças, com idades atuais entre os 3 e os 18 anos, média de 11,5 anos , 57,1% do sexo masculino. O lado esquerdo foi o lado afetado em 44,82% dos casos. Dos casos estudados, 53 apresentavam surdez unilateral sensório-neural, 13 mista e 17 de condução. Setenta por cento dos casos apresentava surdez severa ou profunda (23 casos severa, 35 profunda). Em quase metade dos casos (48%) a etiologia da hipoacusia era desconhecida, 19% dos casos apresentava malformações de ouvido interno (documentadas em Tomografia Computorizada), 6% infeção pós-natal (seis casos de meningite), 6% infeção pré-natal (3 casos de infeção por CMV) e 6% otite média crónica. A maioria das crianças (75%) era seguida em consulta de Reabilitação Auditiva. Doze crianças foram aparelhadas, embora uma não se tenha adaptado e outra ainda permaneça em período de teste. Foi proposto dispositivo de condução óssea a 6 crianças, duas encontram-se em lista de espera. Vinte e três por cento das crianças eram seguidas em consulta de Terapia da Fala e 31% eram seguidas em consulta de Psicologia Clínica no hospital. Quase um terço dos casos estudados (33%) existia mau aproveitamento escolar e/ou atraso do desenvolvimento documentado.
Conclusões: Corroborando resultados de outros estudos, a surdez unilateralpode traduzir-se em dificuldades de aprendizagem e atraso de linguagem, evidenciando as desvantagens da monoauralidade versus binauralidade.A utilização de próteses auditivas nestes casos tem sido amplamente discutida, existindo benefícios em apenas algumas crianças. A etiologia da surdez unilateral é principalmente congénita. Quando conhecida, está associada principalmente a malformação de ouvido interno, geralmente diagnosticada por TC de ouvido.

Palavras-chave: Surdez unilateral, reabilitação auditiva