imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

QUALIDADE DE VIDA E SINTOMAS DEPRESSIVOS EM CRIANÇAS COM ASMA GRAVE

Mariana Lobato1, Miriam Araújo1, João Gaspar-Marques2, Pedro Carreiro Martins1,2, Paula Leiria Pinto1,2

1 - Serviço de Imunoalergologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Rua Jacinta Marto, Lisboa, Portugal
2 - CEDOC, Integrated Pathophysiological Mechanisms Research Group, Nova Medical School, Campo dos Mártires da Pátria, 1150-190 Lisboa, Portugal

- 38ª Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, Figueira da Foz, 6 a 8 de Outubro de 2017
- Apresentação sob a forma de poster; publicação de resumo
- Reunião Nacional

Introdução: Apesar de se desconhecer a real prevalência de asma grave, sabe-se que se trata de uma forma de doença que pode interferir na qualidade de vida (QoL) do doente e associar-se com sintomas depressivos. 
Objetivos: Avaliar a qualidade de vida e a sintomatologia depressiva numa amostra de doentes pediátricos com diagnóstico de asma grave, seguidos em consulta de Imunoalergologia.
Metodologia: Numa amostra de crianças com asma grave, definida de acordo com os critérios da ERS/ATS, com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos, seguidos em consulta de Imunoalergologia no Hospital de Dona Estefânia, foram aplicados os questionários ACT, CARAT Kids, CDI (Children’s Depression Inventory) e PAQLQ (Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire), durante o período compreendido entre Agosto de 2016 e Junho de 2017. Os critérios utilizados para interpretação dos dois últimos questionários foram: CDI > 16 - compatível com presença de sintomatologia depressiva. Para o PAQLQ, um score de 7- indicativo de ausência de interferência na QoL, um score inferior a 7- indicativo de interferência na QoL, sendo um score de 4- indicativo de interferência moderada na QoL e um score de 1 indicativo de interferência grave na QoL.
Resultados: Foram incluídos 9 doentes (5 do sexo feminino) com uma mediana de idades de 9 anos (P25-P75: 8-10 anos). Duas crianças apresentavam um ACT < 20 e três um score CARAT kids > 7. Relativamente ao questionário CDI, apenas uma criança apresentou um valor > 16. No questionário PAQLQ, todos os doentes apresentaram valores do score global < 7, sendo que em dois os valores sugeriam interferência moderada na QoL. O ACT correlacionou-se significativamente com o PAQLQ (Rho= 0,790).
Conclusões: Todos os doentes com asma grave incluídos na amostra apresentaram interferência na qualidade de vida. O grau de controlo de asma associou-se fortemente com o PAQLQ. De referir que embora apenas uma criança tenha apresentado sintomatologia depressiva, existem vários fatores que podem influenciar o desenvolvimento de depressão na infância para além da doença crónica per se. Ainda assim, devemos estar atentos para este problema na abordagem da asma grave na criança.

Palavras Chave: Asma grave, PAQLQ, ACT