imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

OSTEOCONDROSE DOS CUNEIFORMES – CAUSA RARA DE CLAUDICAÇÃO DA MARCHA EM IDADE PEDIÁTRICO

Joana Arcângelo2, Joana Ovídio5, Patrícia Rodrigues5, André Grenh2, Pedro Campos4, Mafalda Vital Batista3, Marina Escobar1, Delfim Tavares5

1. Centro Hospitalar Barreiro Montijo, Barreiro, Portugal
2. Centro Hospitalar Lisboa Central - Hospital Curry Cabral, Lisboa, Portugal
3. Centro Hospitalar de Setúbal - Hospital Ortopédico de Sant'Iago do Outão, Setubal, Portugal 
4. Hospital de Vila Franca de Xira, Vila Franca De Xira, Portugal
5. Centro Hospitalar Lisboa Central - Hospital D. Estefania, Lisboa, Portugal

- Poster, V Congresso Nacional de Ortopedia Infantil / XXII Jornadas de Ortopedia Infantil, Março de 2017

Objectivo: Descrever uma causa rara de claudicação da marcha e podalgia em idade pediátrica, a propósito de dois casos clínicos.
Métodos: Tratam-se de dois doentes do sexo masculino, de 4 anos e 6 anos, observados no serviço de urgência por queixas de podalgia atraumática e claudicação antálgica da marcha de ritmo mecânico, agravadas pela actividade física. As radiografias do pé afectado, bem como do pé contra-lateral no 1o caso, revelaram a presença de um aumento da densidade óssea e irregularidade marginal das cunhas mediais. Perante o quadro clínico de podalgia isolada, e sinais radiográficos encontrados, colocou-se a hipótese de uma osteocondrose da cunha medial. Um período de repouso e tratamento sintomático com anti-inflamatório e analgésico foi instituído em ambos os casos.
Resultados: Em consulta externa, duas semanas após o episódio de urgência, constatou-se uma remissão completa dos sintomas e reavaliação imagiológica sobreponível.
Conclusão: A osteocondrose dos cuneiformes é uma doença auto-limitada e sem sequelas conhecidas. O envolvimento bilateral está descrito em 60% dos casos. Repouso e analgesia são habitualmente suficientes como terapêutica sintomática, mas existem casos descritos nos quais a utilização de palmilhas ou de um curto período de imobilização gessada foram igualmente benéficos no controlo das queixas álgicas. Um dos pontos mais importantes no tratamento é a tranquilização dos pais relativamente à natureza benigna desta condição.
Relevância: As osteocondroses do pé mais frequentes ocorrem ao nível do navicular (Kohler), 2o metatársico (Freiberg), calcâneo (Sever) e base do 5o metatársico (Iselin). O envolvimento dos cuneiformes é raro, com apenas 18 casos publicados na literatura, maioritariamente rapazes com idade média de 5 anos. As radiografias são geralmente patognómicas e suficientes para o diagnóstico. A falha em reconhecer esta entidade, e providenciar o devido tratamento conservador, pode conduzir a exames e terapêuticas desnecessárias, mais invasivas e potencialmente prejudiciais.