imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

COMPLICAÇÕES NEUROLÓGICAS PELO VÍRUS VARICELA-ZOSTER NA IDADE PEDIÁTRICA

Filipa Marujo, Catarina Gouveia, José Pedro Vieira, Maria João Brito

1 - Unidade de Infecciologia, Área da Pediatria Médica, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa
2 - Unidade de Infecciologia, Área da Pediatria Médica, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa
3 - Serviço de Neurologia Pediátrica, Área da Pediatria Médica, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa
4 - Unidade de Infecciologia, Área da Pediatria Médica, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa

18º Congresso Nacional de Pediatria, Sociedade Portuguesa de Pediatria; Poster em Sala

Resumo:
Introdução: O vírus varicela-zoster (VZV) é um vírus herpes neurotrópico que após a primoinfecção permanece latente nos gânglios da medula espinhal ou nervos cranianos.
Objectivo: Caracterizar as complicações neurológicas pelo VZV num hospital terciário.
Métodos: Estudo descritivo, de Janeiro de 2006 a Dezembro de 2016 (10 anos) das complicações neurologicas de infecção pelo VZV. Analisaram-se dados epidemiológicos, clínica, terapêutica e evolução.
Resultados: Registaram-se 37/326 (11,4%) casos do total de internamentos por VZV, com mediana de 3 anos de idade, predomínio no sexo masculino (66,7%) e um pico em 2012 e no mês de Julho. A maioria (78,4%) eram previamente saudáveis e uma 1 criança estava vacina. 10/37 doentes (28,6%) tinham realizado aciclovir oral. A clinica cursou com ataxia (17), convulsão (13), diminuição da força muscular (10) e alteração do estado de consciência (8). A mediana entre o exantema e as manifestações neurológicas foi 4 dias (mín 1; máx 49). Os diagnósticos foram cerebelite (14), convulsão com febre (14) e alterações transitórias de exame neurológico (2), mas também doença grave como encefalite (3), vasculopatia cerebral (2), ADEM (1) e S Guillain Barré (1). Todos com doença grave realizaram aciclovirendoveno mas apenas dois tinham realizado aciclovir oral previamente. A mediana entre o exantema e o internamento nos casos graves foi 12,5 dias vs 3,5 nos restantes casos. Um ano após o internamento registou-se sequelas apenas no doente com AVC isquémico.
Conclusão: Na criança, as complicações neurológicas são raras e surgem principalmente na primoinfecção mesmo após a vacinação ou terapêutica antiviral profilática. Embora possa ocorrer doença grave, a grande maioria recupera sem distúrbios neurológicos.

Palavras Chave: aciclovir, complicações neurológicas, vírus varicela-zoster