imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

BEM ME QUER, MAL ME QUER…PERTURBAÇÃO DA RELAÇÃO CUIDADOR CRIANÇA

CARACTERIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO DE EIXO II (DC 0-3R) NUMA AMOSTRA CLÍNICA DE PRIMEIRA INFÂNCIA

Mesquita Reis, J. 1; Pinto Ferreira, B. 1; Queiróga, L. 1; Caldeira da Silva, P. 2

Interno de Pedopsiquiatria, Área da Mulher, da Criança e do Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa;
Chefe de Serviço Hospitalar de Pedopsiquiatria, Área da Mulher, da Criança e do Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa.

Póster apresentado no Congresso Nacional da Associação de Psiquiatria da Infância e da Adolescência

Introdução
Ao longo dos anos, vários autores alertaram para a influência da relação cuidador/bebé no desenvolvimento psicoafetivo da criança. Estudos recentes têm corroborado estas teorizações, sugerindo que a qualidade das relações precoces contribui para o desenvolvimento da personalidade e para a qualidade das relações estabelecidas no futuro.
Na DC0-3, o Eixo II corresponde à perturbação da relação estabelecida entre o cuidador e a criança. Embora as perturbações da relação sejam amplamente abordadas, os estudos que se focam neste eixo são ainda escassos. 

Objetivo
Pretende-se caraterizar o diagnóstico de eixo II de uma amostra e determinar quais os fatores que podem contribuir como protetores ou de risco para o desenvolvimento de uma perturbação da relação.

Métodos.
Foram incluídas as crianças observadas em 1ªconsulta, na UPI, durante o ano 2016.
Procedeu-se à consulta do processo clinico e ao preenchimento de um questionário com as variáveis em estudo. Os dados foram tratados em SPSS.

Resultados
Em 84% dos casos encontrou-se algum tipo de dificuldade na relação cuidador/criança. Destas, 55% apresentava tendência a perturbação e 29% apresentava relação perturbada.
A relação do tipo subenvolvida foi a mais frequente.
Não se encontrou uma relação estatisticamente significativa entre a presença de uma perturbação da relação cuidador/criança e o género, existência de diagnóstico de Eixo I, doença médica, tipologia da família ou posição da criança na fratria. Encontrou-se uma relação estatisticamente significativa entre a existência de psicopatologia materna e o diagnóstico de Eixo II (p=0,018*). Não se encontrou associação entre a existência de diagnóstico psicopatológico no pai e diagnóstico de Eixo II. O diagnóstico psiquiátrico mais prevalente na mãe foi a perturbação depressiva (59%).

Conclusões
Sabe-se que a indicação terapêutica mais frequente quando existem dificuldades de relação é a psicoterapia cuidador/criança, havendo uma associação entre o inicio da psicoterapia numa idade inferior a 24 meses com uma melhor evolução das relações. Contudo, este estudo alerta também para importância de um diagnóstico e intervenção precoce da psicopatologia materna de forma a prevenir a instalação destes quadros. Adicionalmente reforça a importância de uma proximidade e articulação entre os serviços de psiquiatria e pedopsiquiatria.

Palavras Chave: Perturbação da relação cuidador/criança; Primeira Infância