imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

AVALIAÇÃO DA VASCULATURA MACULAR E DA PAPILA DE CRIANÇAS SAUDÁVEIS IN VIVO ATRAVÉS DE ANGIOGRAFIA POR TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA (OCT-A)

Nuno Moura-Coelho1, Diogo Hipólito Fernandes1, Elisa Vares Luís1, Ana Luísa Basílio1, Marco Dutra-Medeiros1, Ana Paixão1, Cristina Brito1, Alcina Toscano1

Serviço de Oftalmologia, Centro Hospitalar de Lisboa Central 

60º Congresso Português de Oftalmologia, Vilamoura (Portugal) 7-9 Dezembro 2017 (Comunicação Livre)

INTRODUÇÃO: A angiografia por tomografia de coerência óptica (OCT-A) é uma nova tecnologia de imagem que permite avaliar a perfusão microvascular na mácula e na papila de forma qualitativa e quantitativa, de forma não invasiva. O OCT-A já foi utilizado para descrever a vasculatura retiniana em olhos adultos sem patologia e em crianças e adultos com diversas patologias oftamológicas. Contudo, ainda não existe uma base de dados normativa acerca da vasculatura retiniana e papilar em crianças saudáveis. O objectivo deste estudo foi analisar e quantificar a vasculatura macular e papilar em olhos de crianças saudáveis.
MÉTODOS: Estudo transversal no qual foram recrutadas crianças sem patologia oftalmológica. Foi feita a determinação da melhor acuidade visual corrigida (MAVC), equivalente esférico refractivo (EE), da pressão intra-ocular (PIO) por tonometria de aplanação de Goldmann, da paquimetria central (CCT), e do comprimento axial do globo ocular por biometria óptica (CA). Realizou-se SD-OCT e OCTA (Spectralis, Heidelberg), com determinação da espessura global da camada de fibras nervosas peripapilar (pRNFLT), espessura foveal (FT), determinação da área da zona avascular foveal (FAZ) com recurso à ferramenta de softwareSketch and Calc., e avaliação quantitativa da densidade vascular (DV) dos plexos capilar superficial (SCP) e profundo (DCP) da mácula e da rede capilar peripapilar (RPCP). A avaliação quantitativa das DV foi feita com recurso à ferramenta AngioToolsoftware validado para a análise quantitativa de redes vasculares, pela avaliação da percentagem de área vascular (%). A análise estatística foi feita com recurso à ferramenta IBM SPSS Statistics 23.0. Os critérios de exclusão utilizados foram: patologia sistémica, equivalente esférico superior a +/- 4,00 D, PIO > 21 mmHg, comprimento axial < 22,00 mm ou > 26,00 mm, má qualidade da imagem.
RESULTADOS: Foram avaliados 36 olhos (22 do sexo feminino, 14 do sexo masculino) com média de idades de 12.1 +/- 3.0 anos; EE de – 0.19 +/- 0.58 D; PIO 15.1 +/- 2.2 mmHg; CCT 547.0 +/ -35.2 µm; CA 23.53 +/- 0.48 mm. A pRNFLT média foi de 106.17 +/- 11.39 µm, e a FT média de 272.04 +/- 23.90 µm. Verificou-se uma DV média no SCP de 35.25 +/- 4.91%; DV média no DCP de 35.30 +/- 4.05%; DV média no RPCP de 43.64 +/- 5.82%. As áreas de FAZ médias do SCP e do DCP foram de 0.28 +/- 0.06 mm2 e 0.30 +/- 0.05 mm2, respectivamente. Verificou-se a existência de correlações fortemente negativas entre a espessura foveal e as áreas de FAZ no SCP e DCP (rS = - 0.805, p < 0.01 e rS = - 0.672, p < 0.001, respectivamente), assim como uma correlação fortemente positiva entre as áreas de FAZ no SCP e no DCP (rS = 0.661, p = 0.001). Não se verificaram outras correlações entre as variáveis do estudo.
DISCUSSÃO: No nosso estudo recorremos à ferramenta AngioTool para o estudo da microvasculatura retiniana em indivíduos de idade pediátrica saudáveis. Os valores das áreas de FAZ no SCP e do DCP obtidas neste estudo estão de acordo com o descrito previamente na literatura para a população pediátrica. Verificámos ainda a avaliação quantitativa da DV do RPCP nesta faixa etária, que, segundo conhecimento dos autores, não está descrito na literatura até à data. No nosso estudo, a espessura da pRNFL não se correlacionou com a DV deste plexo. O estudo da microvasculatura retiniana e do nervo óptico em crianças saudáveis poderá permitir a criação de uma base de dados normativa para a população pediátrica, o que permitirá a utilização da tecnologia OCT-A no estudo de patologias retinianas e do nervo óptico neste grupo etário. Será útil no futuro realizar estudos com maior volume de crianças saudáveis e comparar as medições obtidas por AngioTool com as medições obtidas por softwares incorporados em alguns sistemas de OCT-A comercializados.

Palavras-chave: microvasculatura retiniana; microvasculatura peripapilar; crianças saudáveis, angiografia por tomografia de coerência óptica; OCT-A.