imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

HIPERTERMIA MALIGNA - CASO CLÍNICO

Catarina Esteves1, Ivanete Peixer2, Teresa Rocha2.

1 - Serviço de Anestesiologia, Hospital de Santo António dos Capuchos, Centro Hospitalar de Lisboa Central, E.P.E.;
2 - Serviço de Anestesiologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, E.P.E.

− Norte da Anestesia, Novembro de 2012 (Poster).

Introdução: A hipertermia maligna (HM) é uma síndrome hipermetabólica, envolvendo a musculatura esquelética, potencialmente fatal.
Em indivíduos susceptíveis, os halogenados e a succinilcolina são os principais responsáveis(a).
Ocorre 1:15000 doentes pediátricos e 1:40000 doentes adultos (b).
Doença autossómica dominante, por alteração no RyR1 do croossoma 19.
Criança do sexo feminino, 21 M de idade, 10,3 Kg de peso, com diagnóstico de aracnoidite proposta para craniotomia para biópsia.
Dos antecedentes pessoais há a referir hidrocefalia desde os 4 M e derivação ventrículo-peritoneal desde os 5 M. Submetida a 3 AGB (colocação de derivações ventricular externa e peritoneal e laminectomia L4 +L5) e 3 sedações (RM e TC CE). Sem outra patologia associada e com bom desenvolvimento P-M e E-P.
ASA II, proposta AGB com monitorização standard mais TA contínua e PVC e recobro na UCI.
A indução foi feita com sevoflurano e após obtenção de acesso venoso foi administrado tiopental, sufentanil e cisatracúrio para entubação orotraqueal.
A colocação de catéter venoso central foi muito difícil e demorado.
Antes da incisão cirúrgica a doente inicia quadro de retenção de dióxido de carbono, taquicardia (foto-1) e hipertermia ligeira (38,4o C). Na gasimetria: pH 6,85, pCO2: 159,6 mmHg; HCO3: 27,8 mmol/l; EB: -5,8 mmol/l.
Após exclusão de outras hipóteses diagnósticas e pela manutenção de hipercápnia refractária iniciaram-se medidas terapêuticas incluindo a administração de dantroleno (foto-2).
A cirurgia foi cancelada, a doente estabilizada e transferida para a UCI.
Pós-operatório sem intercorrências.

Discussão e Conclusões: A HT pode apresentar-se de diversas formas e o quadro completo pode não estar presente por isso o grau de suspeição deve ser muito elevado perante a hipercápnia refractária.
O tratamento com dantroleno é fundamental e deve estar sempre disponível.

Palavras-chave: hipertermia maligna, dantroleno.