imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

HIPERSENSIBILIDADE A ANTI –INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES EM DOENTES ASMÁTICOS COM IDADE PEDIÁTRICA. NONSTEROIDAL ANTI -INFLAMMATORY DRUGS HYPERSENSITIVITY IN PEDIATRIC PATIENTS WITH ASTHMA

Gisela Calado1, João Marques2, Marta Chambel2, Pedro Martins2,3, Paula Leiria Pinto2,4.

1 - Serviço de Imunoalergologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra;
2 - Serviço de Imunoalergologia do Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, E.P.E.;
3 - Departamento de Fisiopatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Lisboa, CEDOC;
4 - Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Lisboa, CEDOC.

- R e v P o r t I m u n o a l e r g o l o g i a 2 0 1 2 ; 2 0 ( 4 ) : 2 7 3 - 2 8 0.

Introdução: Os dados publicados sobre a frequência de hipersensibilidade (HS) a anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) em doentes asmáticos são discrepantes, sendo escassos na população pediátrica. O objectivo deste estudo foi avaliar a frequência de HS a AINEs, reportada por inquérito telefónico em doentes asmáticos com idade pediátrica.

Métodos: Incluíram-se os doentes com idades entre 6 e 17 anos com clínica de asma confirmada por prova de broncodilatação positiva, realizada no período entre 1 de Agosto de 2008 e 30 de Novembro de 2010. Aplicou-se um inquérito telefónico para questionar sobre alguma reacção adversa a fármacos, nomeadamente a AINEs. Perante o reportar de reacção adversa a AINEs, detalhava-se fármaco envolvido, idade na primeira reacção, manifestações clínicas, intervalo entre a toma e o início da reacção, reprodutibilidade, evicção do fármaco implicado e tolerância de fármacos alternativos.

Resultados: Foram selecionados, por prova de broncodilatação positiva, 184 doentes. Foi possível aplicar o inquérito a 111/184 (60,3%). A maioria (59,4%) era do género masculino, com 11 ± 3,1 anos. Nove doentes (8,1%) reportaram reacção de HS a AINEs, reprodutível em três. A primeira reacção ocorreu com uma idade mediana de 2 anos (P25:1,8; P75:5,75), abaixo dos 10 anos em todos os doentes. O ibuprofeno foi o fármaco implicado em todos os casos, sendo o paracetamol usado em alternativa. Todos descreveram reacções imediatas, com as seguintes manifestações: respiratória (7), cutânea (3), gastrintestinal (1). A frequência reportada de sintomas respiratórios como manifestação de reacção de HS a AINEs nesta amostra de doentes asmáticos foi de 6,3% (7/111). Quatro doentes (3,6%) estavam sob evicção de AINEs apesar de negarem qualquer reacção de HS prévia.

Conclusões: A frequência reportada de HS a AINEs contraria os dados que descrevem estas reacções como infrequentes abaixo dos 10 anos de idade. O paracetamol parece ser uma alternativa segura.

Palavras-chave: Anti-inflamatórios não esteróides, asma, doença respiratória exacerbada pela aspirina, hipersensibilidade, idade pediátrica.

Keywords: Aspirin -exacerbated respiratory disease, asthma, hypersensitivity, non steroidal anti -inflammatory, pediatric patients.