imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

DOENÇas pulmonares obstrutivas em Doentes MUITO idosos

João Gaspar Marques1,2, Teresa Palmeiro2, Iolanda Caires2, Nicole Pinto1, Paula Leiria-Pinto1,2, Amália Botelho2, Nuno Neuparth1,2, Pedro Carreiro Martins1,2

1 - Serviço de Imunoalergologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
2 - CEDOC, Integrated Pathophysiological Mechanisms Research Group, Nova Medical School, Campo dos Mártires da Pátria, 1150-190 Lisbon, Portugal

- 37ª Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, 7 a 9 de Outubro de 2016, Lisboa (Poster)
- Revista Portuguesa de Imunoalergologia 2016; 24: Suplemento (Resumo)

Financiamento: AstraZeneca–Produtos Farmacêuticos Lda.

Introdução: A investigação acerca das doenças pulmonares obstructivas em indivíduos muito idosos é muito diminuta, bem como da utilidade da medição da fração exalada de óxido nítrico(FeNO) e da eosinofilia periférica nesta faixa etária.
Objectivos: Estimar a frequência e características clínicas e fisiopatológicas das doenças pulmonares obstrutivas em indivíduos muito idosos. Avaliar a associação entre o FeNO e a eosinofilia periférica no seguimento destes doentes.
Métodos: No âmbito do Projeto OLDER(Obstructive Lung Diseases in Elders) aplicou-se um questionário médico padronizado, espirometria com prova de broncodilatação(BD), medição do FeNO, quantificação da eosinofilia periférica e testes cutâneos por picada(TCP) para aeroalergénios a indivíduos muito idosos(>=75 anos) residentes em lares. Foram excluídos os idosos com contra-indicações para espirometria com prova de BD, ou sem desempenho cognitivo suficiente. Identificaram-se os idosos com diagnóstico de doença pulmonar obstrutiva crónica(DPOC; FEV1/FVC<0,70 pós-BD), asma(pieira nos últimos 12 meses e prova de BD positiva; ou diagnóstico médico de asma) e síndroma de sobreposição asma-DPOC(ACOS; critérios de DPOC e asma simultaneamente) e efetuaram-se comparações entre os grupos de doentes.
Resultados: Avaliaram-se 112 idosos, com uma idade média de 85,7 anos (±5,4 anos), sendo 71,5% do sexo feminino. Identificaram-se 44 doentes com DPOC (39,3%; IC95%:30,7-48,6%), 13 com asma (11,6%; IC95%:6,9-18,9%), e 9 com ACOS. Estes 9 doentes correspondem a 8,0% do total de idosos(IC95%:4,3-14,6%) e a 20,4% dos doentes com DPOC(IC95%:11,1-34,5%). Comparando os doentes com ACOS com os exclusivamente com DPOC, observou-se uma proporção significativamente maior de mulheres(78% e 40%, respectivamente; p<0,05) e de doentes com TCP positivos para aeroalergénios(56% e 20%, respectivamente; p<0,05). Não se observaram outras diferenças estatisticamente significativas quanto às restantes variáveis analisadas, nomeadamente, idade, tabagismo, FeNO e eosinofilia periférica. A correlação entre o FeNO e a eosinofilia periférica não foi significativa.
Conclusões: Encontrou-se um número significativo de doentes com ACOS na amostra de idosos estudada, estando este síndroma associado ao sexo feminino e à sensibilização a aeroalergénios. Nesta amostra de doentes não houve uma correlação significativa entre o FeNO e a eosinofilia periférica, contrariamente a outros estudos.

Palavras-chave: doenças pulmonares obstrutivas, idoso