imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

BONE HEALTH IN CHILDREN BORN PREMATURELY: SHORT- AND LONG-TERM OUTCOMES ** NUTRIÇÃO E METABOLISMO ÓSSEO DA CRIANÇA NASCIDA PRÉ-TERMO *

Luis Pereira-da-Silva 1-3

1. Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central
2. Área da Medicina da Mulher, Infância e Adolescência, NOVA Medical School | Faculdade de Ciência Médicas, Universidade NOVA de Lisboa
3. Dietética e Nutrição, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Instituto Politécico de Lisboa

- * XXIX Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia Pediátrica, Porto, 04/03/2016 (mesa redonda)
- ** 3rd International Academy of Neonatology & Mediterranean Congress of Pediatrics, Lisboa, 19/03/2016 (mesa redonda)

Os recém-nascidos muito pré-termo (<32 semanas) têm importante risco de doença metabólica óssea, por perderem parte ou a totalidade do terceiro trimestre de gestação, em que ocorre a maior parte da deposição mineral intrauterina. A maioria destes, não tolera a nutrição entérica nos primeiros dias de vida e o aporte mineral, incluindo cálcio e fósforo, tem que ser administrado por via parentérica. Um dos principais desafios da nutrição óssea nesta população é atingir elevadas concentrações compatíveis de cálcio e fósforo nas misturas de nutrição parentérica e conseguir uma adequada deposição óssea. Quando o recém-nascido começa a tolerar a nutrição entérica, deve privilegiar-se o leite da própria mãe, embora teor proteico e mineral venha a tornar-se geralmente insuficiente e ser necessária a adição de fortificante. Na indisponibilidade de leite materno, deve recorrer-se a leite de dadora quando tal é possível; o leite de dadora também tem que ser fortificado para corresponder à demanda mineral da elevada velocidade de crescimento do prematuro. Na indisponibilidade de leite humano, deve preferir-se uma fórmula para pré-termo durante o internamento e fórmulas para após alta de prematuros, por conterem elevadas densidades energética, proteica e mineral, adequadas para a nutrição da matriz orgânica e inorgânica do osso em rápido crescimento. Vários estudos têm avaliado o efeito a longo prazo da nutrição no período neonatal, mostrando a vantagem da fortificação do leite humano e fórmulas concebidas para crianças nascidas pré-termo.

Palavras-chave: metabolismo ósseo, mineral, nutrição, prematuridade