imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

ANEMIA CONGÉNITA NA CRIANÇA

Paula Kjöllerström1

1. Unidade de Hematologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central

Reunião científica do Anemia Working Group Portugal: ANEMIA 2016 – uma nova atitude para um velho problema, 26 de novembro de 2016, Lisboa (comunicação oral – mesa redonda: Anemia nas Idades Jovens)

A avaliação da criança e lactente com anemia deve incluir uma anamnese e exame físico cuidadosos com especial enfoque na presença de anomalias/malformações, icterícia, organomegálias e avaliação de repercussão cardíaca. De salientar que a anemia pode estar presente numa variedade de situações, como a doença crónica ou infeção, e, em certos períodos, ser considerada “fisiológica”.  A avaliação laboratorial deve ser criteriosa, evitando espoliação desnecessária. Numa primeira abordagem é fundamental incluir hemograma/índices eritrocitários e esfregaço de sangue periférico. Estes resultados muitas vezes podem orientar a investigação subsequente e evitar exames desnecessários. O suporte transfusional não deve ser protelado em situação de instabilidade hemodinâmica. Apresentam-se dois casos de anemia congénita, a sua abordagem, diagnóstico diferencial e evolução.

Palavras-chave: anemia, congénita, criança